MotoGP planeja temporada 2020 sem público e imprensa e com pessoal reduzido

LEIA TAMBÉM
? Mundo do esporte a motor coloca a mão na massa no combate ao coronavírus

A Dorna segue trabalhando em alternativas para realizar a temporada 2020 do Mundial de Motovelocidade apesar da pandemia do novo coronavírus. Diretor-executivo da promotora espanhola, Carmelo Ezpeleta explicou que o plano atual é correr sem público e imprensa e contando com número reduzido de pessoas.
A pandemia impactou de forma severa o calendário do Mundial. Até aqui, as corridas de Catar, Alemanha, Holanda e Finlândia foram canceladas, enquanto os GPs de Tailândia, Austin, Argentina, Espanha, França, Itália e Catalunha foram adiados.
A imprensa não poderá acompanhar as corridas na retomada da temporada (Foto: Divulgação/MotoGP)
Paddockast #58
COMO SERIA O GRID DA F1 SEM PILOTOS DA F1?

Ouça:
Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apesar de ainda não ter uma data definida, a MotoGP planeja entrar na pista no fim de julho. E, para isso, as equipes concordaram com um número reduzido de funcionários.
“Conversamos com os times e chegamos a um consenso que o número máximo para um time de fábrica da MotoGP é de 40, para equipes satélites e independentes 25, 20 para Moto2 e 15 para a Moto3. Aí teremos, claro, todas as pessoas que produzem o sinal de televisão. Toda essa equipe, então o número mínimo de pessoas da Dorna que estão responsáveis pela organização da corrida. Isso nós dará uma média de 1600 pessoas”, detalhou Ezpeleta. “Essa é a possibilidade para controlarmos a família da MotoGP. Infelizmente, no momento, não haverá imprensa e nem TV. Talvez, mas ainda não está certo, alguns fotógrafos para fornecer imagens para todo mundo”, continuou.
Questionado sobre a possibilidade de realizar mais de uma corrida num mesmo circuito, Carmelo respondeu: “Estamos considerando isso. Para fazer talvez não durante o mesmo fim de semana de corrida dois fins de semana consecutivos de corrida no mesmo circuito”.
Por fim, o espanhol contou que mantém contato regulamento com as equipes e com alguns pilotos e reconheceu que todos estão ansiosos para competir. Ainda assim, o dirigente deu indícios de que a logística será mais complexa do que o habitual. 
“Temos contato regular. Há duas semanas, nós tivemos uma reunião com todas as fábricas e decidimos a situação técnica para 2020 e 2021 para as três categorias. Estou falando regularmente com todo mundo sobre os nossos planos para o futuro próximo. É isso que estamos fazendo”, comentou. “Alguns pilotos me ligam, e fico feliz em discutir a situação com eles. Devo dizer que todos estão saudáveis e ansiosos para começar o mais rápido possível. Eles entendem que a situação é diferente e todos ficam felizes por tentarmos começar o mais cedo que pudermos, mas de uma maneira segura”, avaliou.
“A primeira coisa que estamos pensando é na possibilidade de nos movermos de carro se for necessário, mas acho que até julho, com muitas medidas de segurança, será possível voar na Europa”, completou.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Fonte: Redação GP

Tags:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *